Accueil du site > Publications > Articles > Traductions > Visadas discursivas, gêneros situacionais e construção textual

Publications

Visadas discursivas, gêneros situacionais e construção textual

in Ida Lucia Machado e Renato de Mello. Gêneros reflexões em análise do discurso. Belo Horizonte, Nad/Fale-UFMG, 2004. , 2004

Version imprimable de cet article Version imprimable

Uma maneira de colocar os problemas

Em um artigo [1] para a revista Réseaux [2], intitulado “As condições de uma tipologia dos gêneros televisivos de informação”, comecei por apresentar alguns problemas que a noção de gênero traz. Me apoiei, naquele momento, nas diferentes categorias que a tradição literária nos legou para evidenciar a diversidade dos critérios aos quais ela recorria, e, finalmente, para discutir sua pertinência quando se trata de classificar textos não literários. Percebo, hoje, que executei o exercício clássico, quando se escreve um artigo, que consiste em fazer “uma revisão crítica da questão” antes de adiantar seu próprio ponto de vista. Entretanto, é sintomático o fato de eu ter me referido, como outros, à tradição literária, como se a questão dos gêneros não pudesse ser tratada sem “passar por ali”. Certamente, ainda somos herdeiros dessa tradição, mas me parece, agora, que é um erro, que é melhor romper com ela e que é preferível recolocar essa questão sob outro ponto de vista. Além disso, se voltamos à Antiguidade, percebemos que, desde essa época, coexistiram duas problemáticas. Uma resultante da posição do poeta da Grécia pré-arcaica, que, encarregados de encenar o papel de intermediário entre os deuses e os humanos, tinha a responsabilidade de celebrar os heróis (gêneros épico e epidíctico), e de resolver os enigmas (os mitos), o que acabou por codificar a poesia em um certo número de gêneros tais como o épico, o lírico e o dramático. A outra, resultante da necessidade de gerar a vida da cidade e os conflitos comerciais e políticos, nasceu na Grécia clássica e teve seu impulso na Roma cicerônica, fazendo da palavra pública um instrumento de deliberação e de persuasão política. É, desse modo, nesta segunda filiação que me inscreverei e retomarei algumas tentativas de definição dos gêneros não literários para colocar os problemas de uma outra maneira e tentar fazer algumas proposições.

Podemos considerar, de forma simplificada, que a questão dos gêneros não literários foi, ou é, abordada de diversas maneiras : determinando os “lugares de palavra” – lugares sociais diziam os antigos – que resultam da maneira como uma sociedade estrutura, institucionalmente, a prática social em grandes setores de atividade : o político, o religioso, o jurídico, o científico, o educativo, etc ; segundo as grandes “funções” de base da atividade linguageira, segundo o polo do ato de comunicação em direção ao qual elas são orientadas : são as funções bem conhecidas de Jakobson (1963) (emotiva, conativa, fática, poética, referencial e metalingüística) ou de Halliday (1973, 1974), (instrumental, interacional, pessoal, heurística, imaginativa, ideacional, interpessoal, etc.) ; fundindo-se na “natureza comunicacional” da troca verbal, segundo a qual, conforme propõe Bakhtin (1984), esta é “natural”, espontânea (gêneros primeiros), ou “construída”, institucionalizada (gêneros segundos) ; ou que, como outros propõem, os textos produzidos são dialógicos ou monológicos, orais ou escritos ; apoiando-se no “aparelho formal da enunciação”, como propôs Benveniste (1969), com a oposição “discurso/narrativa”, e outros que, nesta linha ou na de Culioli, fazem classificações em função das marcas enunciativas ; tentando definir os “tipos de atividade linguageira”, tendo um valor mais ou menos prototípico, tais como o narrativo, o argumentativo, o explicativo, o descritivo, etc. ; descrevendo as características formais dos textos e reunindo as marcas as mais recorrentes para concluir na determinação de um gênero textual [3] ; enfim, procurando determinar um domínio de produção de discursos segundo os textos fundadores, cuja finalidade é a de determinar os valores de um certo domínio de produção discursivo, como o discurso filosófico, o científico, o religioso, o literário, etc. [4] Esta rápida revisão das formas de abordar a noção de gênero não tem a pretensão de ser exaustiva. Ela nos (re)lembra, entretanto, a complexidade da questão. Ela serve, sobretudo, para mostrar que o que é levado em conta para definir esta noção diz respeito, tanto à ancoragem social do discurso, quanto a sua natureza comunciacional, tanto às atividades linguageiras construídas, quanto às características formais dos textos produzidos. Logo, podemos nos perguntar se estes diferentes aspectos não estão ligados. Os tomarei, então, aqui, para evidenciar os problemas que eles trazem quando os consideramos separadamente e proporei uma maneira de articulá-los.

Em primeiro lugar, o aspecto da ancoragem social que funda os gêneros unindo-os às diferentes práticas sociais que se instauram em uma sociedade. Estas práticas podem ter, para os atores linguageiros, um papel empírico de ponto de referência, ponto de referência sem o qual, como diz Bakhtin (1984), “a troca verbal seria impossível”. Mas podemos chegar a considerá-las como um campo estruturado (no sentido de Bourdieu), onde se instauram relações de forças simbólicas entre os atores, relações de forças mais ou menos hierarquizadas e institucionalizadas segundo o campo concernido. Os campos – que prefiro chamar de “domínios de prática linguageira”, visto que esta denominação remete muito mais à experiência comunicativa – determinam, então, de antemão, a identidade dos atores que se encontram ali, os papéis que devem representar, o que faz com que as significações dos discursos que circulam ali sejam fortemente dependentes da posição de seus enunciadores. Radicalizando este ponto de vista, poderíamos dizer que é o estatuto do ator social e o papel que ele representa que são determinantes para julgar a conformidade de um discurso em relação ao domínio no qual ele é produzido. Assim, todo discurso seria marcado por uma certa “performatividade”, desde que o ator social, que está na origem enunciativa, fosse reconhecido em seu estatuto : não é mais o que é dito que conta, mas a origem enunciativa externa do que é dito.

Aí se encontra justamente a problemática (daí os verbos no condicional). Para fazer depender a significação dos discursos do estatuto do ator produtor do ato de linguagem, de sua posição de legitimidade mais do que de seu papel de sujeito enunciador, isso quer dizer que qualquer que seja a maneira de falar, ele produziria um discurso típico do domínio concernido. Por consequëncia, o padre que batiza poderia também dizer “Eu te condecoro” no lugar de “Eu te batizo”, o que quer dizer que não existiria características discursivas próprias a um domínio [5] : pertenceria ao gênero político todo discurso produzido no domínio de prática política, ao gênero midiático todo discurso produzido no domínio de prática das mídias, ao gênero científico, todo discurso produzido no domínio de prática das ciências, etc.

Agora, podemos levantar, de maneira razoável, a hipótese de que todo domínio de prática social tende a regular as trocas, e, por consequência, a instaurar as regularidades discursivas, ou, como mostrou a etnometodologia, ritualizações linguageiras, as quais constituem uma das marcas (no sentido de marcar um território) do domínio [6]. Ainda falta encontrar o meio de articular o domínio de prática social com a atividade discursiva. A dificuldade vem do fato que estes domínios de prática são extensivos demais e englobantes para que se possa marcar regularidades discursivas. A proposição que vai se seguir consiste precisamente em estruturar o domínio de prática social em domínio de comunicação, o que constitui um resposta possível a esta questão. Enquanto isso tomaremos nota do fato que, se queremos estudar os discursos que se manifestam e circulam nos lugares sociais, precisamos de uma categorização destes.

No que diz respeito aos tipos de atividade linguageira, o problema que se coloca é saber a que elas correspondem do ponto de vista da produção linguageira : elas correspondem a operações mentais ou são modos de organização textual ? Ao ler os trabalhos sobre a questão, duas tendências parecem, de fato, se destacar.

A primeira chamaremos de cognitiva, na medida em que ela se liga a uma teoria cognitiva geral sobre a linguagem. Esta tendência consiste em descrever as operações do pensamento que se encontraria em correspondência com tal ou tal organização textual. Esta posição postula que existiriam no espírito esquematizações abstratas ordenadas (scripts) que fariam o papel de protótipos originais a partir dos quais se ordenaria um mecanismo de projeção em discursos (down), quando se trata de tomar consciência do processo de produção dos textos, ou em direção aos quais se ordenaria um mecanismo de reconstrução da esquematização (up), quando se trata de tomar consciência do processo de compreensão. É por isso que os psicolingüistas se apoiam, para suas descrições ou experimentações, em marcas formais (“marcação morfológica”), mas que representam, aqui, somente o papel de traços reveladores destas operações (Caron, 1989 e Richard, 1990).

A outra tendência, que poderíamos chamar de semiodiscursiva, consiste em considerar que todo texto sendo heterogêneo, não é este que pode ser classificado, mas aquilo que, em um nível mais abstrato, constitui sua estrutura. Por conseqüência, podemos considerar que as esquematizações, mesmo se elas dizem respeito às operações mentais, não são tanto processos de engendramento/compreensão do texto quanto o reflexo de sua “armadura”, como diz Adam (1992). Para este autor, as categorias prototípicas homogêneas que constituem esta armadura são “sequências autônomas” (narrativa, descrição, explicação, argumentação e diálogo) cuja configuração se marca pelos feixes de regularidades que encontramos no texto. Para outros, trata-se de um conjunto de procedimentos, o que chamei de “modos de organização do discurso”, (Charaudeau, 1992), (narrativo, descritivo, argumentativo), que devem ser considerados como condições de construção do discurso que o sujeito falante disporia para organizar sua intenção discursiva, e não como a esquematização do texto.

Nada impede que estas duas tendências coloquem a questão do que seria um nível de organização do discurso que não seja o da configuração formal, estando ligado às marcas formais dos textos sem ser completamente dependente deles. A propósito disto, podemos assinalar a proposição interessante de Bronckart (1994) que distingue “tipo” de “gênero”, “en ce que [le type] constitue un segment de texte, et d’autre parte en ce qu’il implique une possibilité d’identification sur la base de ses propriétés linguistiques.” De fato, sabemos por um lado que um procedimento de organização ou de esquematização (argumentativo, por exemplo) pode ser configurado de diversas maneiras – inclusive sob uma aparência narrativa – e que por outro lado, não importa qual tipo de texto (por exemplo, o tipo publicitário) pode misturar vários destes procedimentos. Além disso, parece que este nível de organização do discurso não está ligado a um domínio de prática social. Veremos que a proposição que se segue consiste em ter neste nível um papel de articulação entre o lugar das práticas sociais e o da configuração textual.

Tentar classificar os textos a partir da recorrência das marcas formais traz outros tipos de problemas. Peguemos um texto e encontraremos nele regularidades marcantes (o emprego de torneios impessoais, de conectores, de formas temporais, de pronomes, etc.) ; peguemos, em seguida, outros textos que parecem pertencer ao mesmo gênero (não colocaremos, aqui, a questão do ponto de vista) : constataremos que de um texto ao outro algumas formas são diferentes e outras são semelhantes. Concluiremos que este conjunto de textos se caracteriza por certas recorrências formais, o que permitirá fazer dele uma classe, um tipo ou gênero. Entretanto, surgem, aí, dois problemas.

O primeiro está relacionado ao sentido no qual estas formas podem ser portadoras. Conhecemos o fenômeno da polissemia das formas tanto lexicais quanto gramaticais que faz com que jamais estejamos certos de que uma mesma forma que se encontra nos vários textos tenha a mesma significação. A “interrogação” pode corresponder a uma categoria de pedido para dizer ou de pedido para fazer, de solicitação ou de injunção, de pedido de informação ou de pedido de validação. Os “torneios impessoais” e as “nominalizações” podem ter uma função de distanciamento para fins de neutralização da subjetividade do sujeito falante (como nos textos administrativos ou científicos), ou de colocação de pressupostos de evidência (como nos texto políticos ou títulos de jornais). Este poli-pertencimento das formas à categorias diferentes constitui um primeiro obstáculo – certamente, não intransponível – para uma classificação dos textos a partir de suas recorrências formais.

O segundo problema, ligado ao primeiro, reside no fato de que não sabemos se estas recorrências nos garantem que temos um tipo específico de texto. O que está em discussão, aqui, é saber se as recorrências formais são exclusivas ou somente específicas de um tipo de texto. Se elas são exclusivas, então teremos fundado um gênero textual, mas sob a condição de provar a exclusividade através de um trabalho de comparação sistemática com outros tipos de textos. Se elas são específicas – quer dizer próprias de um tipo de texto mas não exclusivas deste –, então, podemos apostar que os textos agrupados em nome desta especificidade constituem uma classe heterogênea diante da situação. Por exemplo, seríamos levados a reagrupar em uma mesma classe um texto dito administrativo, um texto dito didático, um texto dito científico ou um texto dito jornalístico pelo fato de que eles teriam em comum as mesmas características formais (nominalizações, torneios impessoais, presença do on – terceira pessoa em francês –, construção apositiva das frases, etc.). Evidentemente, poderíamos responder que isso não impede que consideremos que cada um destes tipos de textos se caracteriza por estas regularidades formais às quais se unem outras e que é esta soma que constitui a especificidade do gênero. Sim, mas isso remete ao mesmo tempo a uma última questão : a quais critérios podemos recorrer para dizer que um texto é administrativo, político, didático ou científico ? Não estaríamos dando como acabado o que ainda precisa ser demonstrado ? Pressupomos que temos um texto administrativo, depois lhe damos as características formais que lhe são específicas e não exclusivas. Logo, justamente, a questão se coloca em saber em que este texto pode ser chamado de administrativo. E nos vemos novamente de volta ao começo, quer dizer na questão do domínio de prática social. As características formais seriam somente traços caracterizadores que trariam aos textos propriedades específicas e não traços definitórios que trazem aos textos propriedades constituintes.

Ao colocar o problema dos gêneros textuais opondo o que acontece além da produção linguageira – as condições de produção trazidas pelos domínios de prática – ao que se passa aquém – as características formais dos textos –, se perguntando sobre o lugar que as atividades linguageiras ocupam, parece que a questão fundamental que é colocada é a das restrições e da liberdade que o sujeito falante dispõe. Aceitar que existe gêneros é reconhecer que a produção linguageira é submetida a restrições. Mas, em que nível estas restrições intervém ? Se elas agem aquém, no nível das características formais, então, o sujeito não tem mais liberdade. Para fazer reconhecer o gênero no qual ele se exprime, ele seria obrigado a passar pelo modelo de formas codificadas de antemão, a se exprimir de maneira perfeitamente conforme a estas restrições, e, assim, a desaparecer como sujeito. Falar, escrever, se exprimir, diria respeito a uma atividade de recitação, como é o caso cada vez que alguém faz uma prece litúrgica ou quando repete um texto sagrado. Se, ao contrário, as restrições agem além, isso poderia querer dizer que o sujeito estaria completamente determinado pelo lugar que lhe dá o dispositivo do domínio de prática social, e que sua maneira de falar teria pouca importância, tudo sendo marcado de antemão. A proposição que se segue tenta responder a este dilema.

Proposta

Diremos, primeiramente, à maneira de Bakhtin (1984:285), que é preciso, ao sujeito falante, referências para poder se inscrever no mundo dos signos, significar suas intenções e comunicar. Isso é o resultado do processo de socialização do sujeito através da linguagem e da linguagem através do sujeito, ser individual e coletivo. É conjuntamente que se constróem, em nome do uso, a normalização dos comportamentos, do sentido e das formas, o sujeito registrando-os em sua memória. Isso permite levantar a hipótese que existem no sujeito três memórias que testemunham cada uma das maneiras das quais se constituem as comunidades.

Uma memória dos discursos, na qual são construídos saberes de conhecimento e de crença sobre o mundo (Charaudeau, 1997, cap. 2). Tais discursos circulariam na sociedade enquanto representações [7] em torno das quais se constróem as identidades coletivas, fragmentam a sociedade em “comunidades discursivas” [8]. É sobre esta memória dos discursos que a publicidade joga com seus slogans, como “Obernai, a primeira grande cerveja com um terço de calorias a menos” que faz invoca as representações partilhadas em torno do efeito das calorias, da forma delgada do corpo como valor do mundo moderno, do fato que são os homens que bebem cerveja, e que as mulheres poderiam também ser consumidoras dessa bebida. Assim, as comunidades discursivas reúnem – virtualmente – sujeitos que partilham os mesmos posicionamentos, os mesmos sistemas de valores, quer se trate de opiniões políticas, julgamentos morais, doutrinas, ideologias, etc.

Uma memória das situações de comunicação enquanto dispositivos que normatizam as trocas comunicativas e que se definem através de um conjunto de condições psicossociais de realização, de modo que os parceiros possam se entender sobre o que constitui a expectativa (enjeu) da troca, possam estabelecer um contrato de reconhecimento, condição da construção recíproca e diferenciada do sentido. Assim se constituem as “comunidades comunicacionais”. É esta memória comunicacional que permite aos sujeitos fazer a diferença entre uma representação da morte quando ela é tratada pelas mídias de informação e quando ela é tratada pela publicidade comercial, que permite aceitar aquela e rejeitar esta [9]. Não se trata mais, aqui, da representação do conteúdo, daquilo que é mostrado, mas do lugar situacional no qual é mostrado. As comunidades comunicacionais reúnem, desta vez fisicamente [10], sujeitos que partilham a mesma visão (representações) daquilo que devem ser as constantes das situações de comunicação. Por exemplo, considerar que os discursos políticos são passíveis de interpretação diferentes dependendo, se é um comício, uma manifestação, um colóquio, um debate, uma conversa amigável, etc.

Uma memória das formas de signos que servem para trocar (quer sejam trocas verbais, icônicas, gestuais) não que elas constituam um sistema mais enquanto empregadas de tal ou tal forma, quer dizer através de seu uso. Estes signos se organizam enquanto maneiras de dizer mais ou menos rotineiras, como se o que importasse da linguagem não fosse o que se diz mas sua execução. Assim, se constituem comunidades de “saber dizer”, outros diriam de “estilo”, em torno de maneiras de falar, razão pela qual podemos falar, aqui, de “comunidades semiológicas [11]”. É esta memória semiológica que faz com que os indivíduos possam elaborar julgamentos de ordem estética, ética, pragmática,etc., sobre a maneira de se comportar e de falar em nome de normas sociais suposstamente partilhadas. A comunidade semiológica é, assim, igualmente uma comunidade virtual de sujeitos que se reconhecem através da “rotinização” das formas de comportamento e de linguagem.

Tendo em vista a relação de “consubstancialidade” que situação, sentidos e formas mantém é razoável levantar a hipótese, correlativa da precedente, de que se estabelece uma articulação estreita entre estes três tipos de memórias, e, além disso, entre a situação de comunicação, que é um elemento de estruturação da prática social, e a normalização-codificação das práticas linguageiras. Podemos, então, sustentar a idéia de que o sujeito social se dota de gêneros empíricos, e que, por meio de representações que ele se constrói deles pela aprendizagem e pela experiência, ele os erige em normas de conformidade linguageira e os associa aos lugares de prática social mais ou menos institucionalizados.

Diremos, em seguida, que uma análise dos gêneros deve se apoiar em uma teoria do fato linguageiro, dito de outra maneira, em uma teoria do discurso na qual possamos conhecer os princípios gerais sobre os quais ela se funda e os mecanismos que os colocam em funcionamento. Toda teoria do discurso implica, assim, que sejam determinados diferentes níveis de organização do fato linguageiro. Já expus, aqui e ali, os aspectos de uma teoria psicosócio-comunicativa (que chamo de “semiodiscursiva”) na qual me inscrevo. Me deterei, desse modo, aqui, somente nos aspectos que me parecem mais pertinentes para explicar minha posição sobre a questão dos gêneros.

No nível dos princípios gerais, os quais têm por função fundar a atividade de linguagem [12], me deterei mais particularmente no “princípio de influência” que está na origem de certas visadas (ver abaixo), as quais determinam a orientação do ato de linguagem como ato de comunicação em função da relação que o sujeito falante quer instaurar frente ao seu destinatário.

O nível dos mecanismos do funcionamento é duplo. Ele compreende por um lado, aquilo que estrutura o domínio de prática em domínio de comunicação, a saber, um conjunto de situações de comunicação, e por outro lado, aquilo que ordena a discursivização (mise en discours), a saber, um conjunto de procedimentos semiodiscursivos.

A situação de comunicação é o lugar onde se instituem as restrições que determinam a expectativa (enjeu) da troca, estas restrições provenientes ao mesmo tempo da identidade dos parceiros e do lugar que eles ocupam na troca, da finalidade que os religa em termos de visada, do propósito que pode ser convocado e das circunstâncias materiais nas quais a troca se realiza. Quando um conjunto de situações partilham as mesmas características, mesmo se algumas outras são diferentes, isso quer dizer que elas se encontram em um mesmo domínio de comunicação (por exemplo, as situações de comício, de declaração televisiva de programa eleitoral fazem parte do domínio de comunicação política). Destes componentes, me deterei mais particularmente, aqui, no da finalidade, porque é ele que, selecionando um tipo de visada, determina a orientação discursiva da comunicação. É evidente, entretanto, que não podemos dissociar estes componentes uns dos outros, e que é conjuntamente que eles contribuem para definir a expectativa (enjeu) da comunicação. Este nível é metodologicamente aquele pelo qual deve começar a análise dos discursos.

A discursivização é o lugar onde se instituem, sob o efeito das restrições da situação, as diferentes “maneiras de dizer” mais ou menos codificadas. Este lugar é, então, também ele, um lugar de restrições, mas convém distinguir aqui as restrições discursivas das restrições formais. Esta distinção se faz necessária para resolver o problema assinalado mais acima, resultante do fato que vários textos pudessem dar a impressão de pertencer a uma mesma classe de textos, enquanto que algumas de suas formas são distintas. O que se ressalta das restrições discursivas é da ordem de atividades de ordenamento do discurso (os modos discursivos) sem que possa ser determinada de maneira automática a forma exata do produto final. O que se ressalta das restrições formais, em compensação, corresponde a um emprego obrigatório das maneiras de dizer que encontramos necessariamente em todo texto pertencente à mesma situação.

Para ilustrar imediatamente o valor explicativo destes três níveis, e antes de precisar sua função, poderemos citar o caso do títulos de imprensa. Estes se inscrevem em uma situação de comunicação jornalística que se inscreve, ela própria, no domínio de comunicação midiática em nome de sua finalidade que seleciona uma visada de informação. Estes dados situacionais demandam uma restrição discursiva de anúncio das notícias que demanda por sua vez esta restrição formal de titulação. Vemos, assim, que poderíamos falar de gêneros em cada um destes diferentes níveis : o gênero informação determinado pelo domínio midiático, o gênero jornalístico determinado pela situação, o gênero anúncio determinado pela restrição discursiva, o gênero título determinado pela restrição formal.

Das visadas aos limites situacionais

As visadas correspondem a uma intencionalidade psico-sócio-discursiva que determina a expectativa (enjeu) do ato de linguagem do sujeito falante e por conseguinte da própria troca linguageira. As visadas devem ser consideradas do ponto de vista da instância de produção que tem em perspectiva um sujeito destinatário ideal, mas evidentemente elas devem ser reconhecidas como tais pela instância de recepção [13] ; é necessário que o locutor e o interlocutor possam recorrer a elas. As visadas correspondem, assim, à atitudes enunciativas de base que encontraríamos em um grande corpus de atos comunicativos reagrupados em nome de sua orientação pragmática, mas além de sua ancoragem situacional. Os tipos de visada são definidos por um duplo critério : a intenção pragmática do eu em relação com a posição que ele ocupa como enunciador na relação de força que o liga ao tu ; a posição que da mesma forma tu deve [14] ocupar. Sem entrar em detalhes, descreveremos, aqui, seis das principais visadas :

  • a visada de “prescrição” : eu quer “mandar fazer” (faire faire), e ele tem autoridade de poder sancionar ; tu se encontra, então, em posição de “dever fazer”.
  • a visada de “solicitação” : eu quer “saber”, e ele está, então, em posição de inferioridade de saber diante do tu mas legitimado em sua demanda ; tu está em posição de “dever responder” à solicitação.
  • a visada de “incitação” : eu quer “mandar fazer” (faire faire), mas, não estando em posição de autoridade, não pode senão incitar a fazer ; ele deve, então “fazer acreditar” (por persuasão ou sedução) ao tu que ele será o beneficiário de seu próprio ato ; tu está, então, em posição de “dever acreditar” que se ele age, é para o seu bem.
  • a visada de “informação” : eu quer “fazer saber”, e ele está legitimado em sua posição de saber ; tu se encontra na posição de “dever saber” [15] alguma coisa sobre a existência dos fatos, ou sobre o porque ou o como de seu surgimento.
  • a visada de “instrução” : eu quer “fazer saber-fazer”, e ele se encontra ao mesmo tempo em posição de autoridade de saber e de legitimação para transmitir o saber ; tu está em posição de “dever saber fazer” segundo um modelo (ou modo de emprego) que é proposto por eu.
  • a visada de “demonstração” : eu quer “estabelecer a verdade e mostrar as provas” segundo uma certa posição de autoridade de saber (cientista, especialista, expert) ; tu está em posição de ter que receber e “ter que avaliar” uma verdade e, então, ter a capacidade de fazê-lo.

Para evitar qualquer mal entendido, convém precisar, aqui, o que essas visadas não são. Elas não constituem esquematizações abstratas de um texto, visto que elas se situam bem a frente deste na conceitualização de uma intenção discursiva que não prejulga aquilo que deve ser a organização textual. Elas não correspondem a “atos de fala” [16], no sentido da pragmática, mesmo se elas partilham com eles o fato de que se trata de uma co-enunciação intencional que é marcada pelo efeito que ela é suscetível produzir. Os atos de fala são unidades mais finas que se situam em um nível mais engajado na realização discursiva, o enunciado. De fato, um ato como o de “prometer”, segundo o contexto, poderá corresponder a uma visada de prescrição, de incitação ou de informação. Estas visadas também não correspondem às “funções da linguagem” tais como definidas por Jakobson, visto que mesmo vendo afinidades entre algumas destas funções e as visadas, estas são, neste momento, bem mais distintivas que aquelas. A função conativa, por exemplo, pode se inserir em uma visada prescritiva, solicitativa ou incitativa. Além disso, as funções referencial, metalingüística ou poética deveriam ser antes consideradas como funções internas à linguagem do que como visadas comunicativas intencionais. Enfim, estas visadas não podem constituir um princípio de tipologização dos textos, visto que elas se encontram bem a frente da configuração textual e que elas não permitem préjulgar o que esta será. Juntar todos os textos que correspondem a uma visada de informação conduziria a constituir um conjunto heterogêneo do ponto de vista de sua situação de emprego. Entretanto, estas visadas são necessárias, como veremos agora, para definir estas situações.

Cada situação de comunicação seleciona, para definir sua finalidade, uma ou várias visadas dentre as quais geralmente uma (às vezes duas) é dominante [17]. Assim, a situação de comunicação midiática pode convocar várias visadas : de instrução (em suas rubricas de conselhos), de incitação (em seus títulos dramatizantes), de demonstração (quando ela dá a palavra aos experts). Mas ela o faz sob a cobertura da visada dominante de informação (quer dizer daquela que determina a expectativa (enjeu) do contrato de comunicação). Mais exatamente, ela o faz, como o mostra a análise, sob uma visada dominante dupla : de informação, para responder à exigência democrática que quer que a opinião pública seja esclarecida sobre os acontecimentos que se produzem no espaço público ; de incitação, para responder à exigência de concorrência comercial que quer que este discurso se enderece ao maior número e, desse modo, procure captá-lo (Charaudeau, 1997, cap. 4). Em compensação, a situação de comunicação publicitária não tem que fazer senão uma visada de informação e não se justifica senão através de uma visada de incitação. Não há, então, correspondência bi-unívoca entre visada discursiva e situação de comunicação, uma mesma situação podendo convocar várias visadas, ou uma mesma visada podendo se encontrar em diferentes situações. Por exemplo, a visada de prescrição em situações que devem fazer conhecer : as regras da conduta automobilística (código de trânsito), as leis que geram o comportamento cívico (código civil), as regras que geram a vida da empresa (regras internas) ; a visada de incitação em situações em que procuramos orientar o comportamento dos indivíduos (cartazes publicitários, reuniões eleitorais, campanhas de prevenção) ; a visada de informação em situações em que procuramos guiar o cidadão ou o usuário (jornais, centros de acolhimento, boletins e circulares, propaganda pública).

Como dissemos, a finalidade, e, logo, a visada que ela seleciona, não é o todo da situação de comunicação. Mas ela é um de seus elementos essenciais que se combina com outras características dos outros componentes : a identidade dos participantes (por exemplo, para a comunicação midiática, a instância informante de um lado, a instância cidadã do outro ; para a comunicação publicitária, a instância publicista de um lado, a instância consumidora do outro) ; o propósito e sua estruturação temática (por exemplo, para as mídias, os acontecimentos do espaço público ; para a publicidade, o sonho do bem-estar do indivíduo) ; e as circunstâncias que precisam as condições materiais da comunicação (rádio, imprensa, televisão, para as mídias ; cartazes de rua, propagandas televisivas, encartes nas revistas, para a publicidade).

A situação de comunicação é, assim, o que determina, através das características de seus componentes, as condições de produção e de reconhecimento dos atos de comunicação, condições de enunciação sob seu aspecto externo. Por conseguinte, ela estrutura o domínio de prática – que é sociologicamente vasto – em domínio de comunicação. Este sendo de alguma forma a resultante de todas as situações de comunicação que dizem respeito, ele é, ao mesmo tempo, e por efeito de retorno – o lugar onde se encontram as condições gerais às quais devem satisfazer os componentes das diferentes situações de comunicação dos quais fazem parte. Isto quer dizer que cada situação de comunicação particular, inscreve, ao mesmo tempo, no nível de seus componentes, os dados gerais que instruem o domínio, e traz especificações que lhe são próprias. Por exemplo, o domínio de comunicação política instrui uma certa visada (incitação), uma certa identidade dos parceiros (responsável político/cidadão/adversário), um certo propósito (a idealidade do bem-estar social), componentes que encontramos em qualquer que seja a situação particular, quer se trate de um comício, de um folheto, de uma declaração radiofônica, etc. A mesma coisa para os domínios de comunicação midiática ou publicitária, na qual encontramos as condições gerais acima evocadas, em qualquer que seja a situação particular (imprensa, rádio ou televisão). É por isso que podemos falar de “contrato de comunicação” : todo domínio de comunicação propõe a seus parceiros um certo número de condições que definem a expectativa (enjeu) da troca comunicativa, que sem o seu reconhecimento não haveria possibilidade de intercompreensão. As situações particulares seriam, então, consideradas como variantes (ou sub-contratos) de um contrato global.

Esta noção de contrato permite reunir os textos que participam dessas mesmas condições situacionais. Assim, podem ser construidos corpus, seja em torno do contrato global de comunicação (corpus de textos publicitários, de textos de informação midiática, de textos políticos), seja em torno das variantes mais específicas (corpus de propagandas publicitárias distinto de um corpus de cartazes de rua, de crônicas políticas jornalísticas distinto de um corpus de crônicas radiofônicas, etc.). Tal tipologia, não é evidentemente o único princípio de classificação dos textos. Ela não permite, por exemplo, distinguir, no interior da classe dos textos jornalísticos, as diferenças que existem entre diferentes tipos de crônicas ou de artigos. É necessário, então, agora, olhar um pouco mais de perto o que acontece no nível da construção discursiva.

Do contrato às restrições discursivas

As restrições situacionais do ato de comunicação devem ser consideradas como dados externos, mas elas só tem razão de ser porque elas têm por finalidade construir o discurso ; elas respondem à questão do “estamos aqui para dizer o quê ?” e, fazendo isso, elas produzem instruções que devem encontrar seu correspondente em um “como dizer ?” A ligação entre os dados externos e a construção discursiva é de causalidade, mas ela não se estabelece em uma correspondência termo a termo. Os dados determinam o que deve ser o quadro do tratamento linguageiro no qual eles vão se ordenar. Assim, observaremos que os dados da finalidade, pelo viés de suas visadas, determinam uma certa escolha dos modos enoncivos (descritivo, narrativo, argumentativo) [18] que deve empregar o sujeito falante ; os dados da identidade dos parceiros determinam certos modos enunciativos (alocutivo, elocutivo, delocutivo) nos quais ele deve se engajar ; os dados do propósito determinam certos modos de tematização, quer dizer a organização dos temas e sub-temas a serem tratados ; os dados das circunstâncias materiais determinam certos modos de semiologização, quer dizer a organização da mise en scène material (verbal e/ou visual) do ato de comunicação. As restrições discursivas não correspondem a uma obrigação de emprego desta ou daquela forma textual, mas a um conjunto de comportamentos discursivos possíveis entre os quais o sujeito comunicante escolhe aqueles que são suscetíveis de satisfazer às condições dos dados externos.

Para ilustrar a ordem das restrições discursivas, retomarei, simplificando, aquelas que já descrevi a propósito do contrato midiático (Charaudeau, 1997, 3ª parte). As visadas de informação e de incitação que o caracterizam determinam um quadro de tratamento no qual a instância midiática é levada a : tomar conhecimento do acontecimento para transformá-lo em notícia (“acontecimento narrado”), utilizando procedimentos descritivos e narrativos, às vezes objetivantes (credibilidade), às vezes dramatizantes (captação) ; explicar o acontecimento (“análise e comentário”), utilizando procedimentos argumentativos ; produzir o acontecimento (“acontecimento provocado”), utilizando procedimentos de interação (debates, conversas, entrevistas). Os lugares atribuídos aos parceiros deste contrato (a identidade) determinam um quadro de tratamento enunciativo no qual a instância midiática deve se construir uma imagem de enunciador neutro, não implicado e distante, e deve construir uma imagem da instância destinatária devendo ser concernida (em nome da cidadania), tendo sensibilidade (em nome da natureza humana) e procurando compreender (em nome do espírito de simplicidade). O propósito determina uma racionalização do tratamento temático, em torno dos acontecimentos selecionados em função de seu potencial de “atualidade”, de “proximidade”e de “desordem social”.

Como isto foi dito no início, podemos considerar o lugar das restrições discursivas como um lugar intermediário entre os dados das restrições situacionais e a configuração textual. Ele permite resolver o problema evocado mais acima das variantes de formas no interior de uma mesma situação de comunicação. Se a situação de comunicaçao midiática desse diretamente instruções de forma, todos os jornais, mais ou menos, se pareceriam. Se eles são diferentes, é em razão da escolha das formas (ao mesmo tempo reveladoras de certos posicionamentos). Mas se eles são reconhecidos ao mesmo tempo como jornais de informação, é porque eles respeitam o essencial das restrições discursivas de descrição e de comentário do acontecimento, através de um trabalho que utiliza procedimentos de ordem narrativa, descritiva e argumentativa adequadas. Daí podemos ver igualmente que estes procedimentos também não são tipos discursivos ; eles são aquilo que diz o termo de procedimento : um instrumento a serviço da realização das restrições discursivas.

Das restrições dircursivas às restrições formais

A aprendizagem da linguagem só pode ser feita pela aproprição progressiva das formas de uso, formas repetitivas que se tornam rotineiras e se fixam em “maneiras de dizer”. Mas como – é a hipótese inicial – essas maneiras de dizer dependem da situação de comunicação, a “rotinização” em questão se configura em formas que fazem eco nas exigências das restrições situacionais via restrições discursivas. Nesse nível não se trata de considerar que o ordenamento destas formas obedece a regras, mas antes a normas de uso mais ou menos codificadas cujas formas que as exprimem podem ser objeto de variantes. Assim, se todo discurso publicitário em nome de suas restrições situacionais e discursivas, deve apresentar as qualidades do produto exaltado sob a forma de um slogan (ou de um gancho), e que este slogan deve ser enunciado em uma forma breve, isso não impede que as construções frásticas, nas quais ele é enunciado são elas muito variáveis. Se o discurso de informação em nome de suas restrições situacionais e discursivas, deve, na imprensa ser objeto de um anúncio da notícia sob a forma de títulos relativamente curtos, isso não impede – a comparação destes o mostra – que estes aparecem em construções frásticas diversas sem que possamos dizer que a construção nominalizada seja predominante, visto que isto depende dos jornais e do tipo de notícia anunciada.

Todos os componentes da situação de comunicação condicionam as formas, via restrições discursivas, mas as circunstâncias materiais são, talvez, as que influenciam mais diretamente nas formas, o que se explica já que estas induzem os dipositivos “materiais”. Isso começa pela exigência de formas de oralidade ou de escritura, se levamos em conta que o dispositivo coloca os parceiros da troca em co-presença física e uma situação interlocutiva ou monolocutiva, a qual justificará que o canal de transmissão seja fônico ou escritural. Em seguida, se estamos, por exemplo, em uma situação de interlocução, isso se dá pelos papéis que são atribuídos aos diferentes parceiros da troca, papéis que farão com que as tomadas de fala e as atitudes enunciativas não sejam as mesmas, por exemplo, em uma entrevista, uma conversa ou um debate (Charaudeau, 1986, 1992). Em compensação, se estamos em uma situação monolocutiva, sem a co-presença física dos parceiros, serão ainda os termos do dispositivo que farão com que a forma de apresentação de uma mensagem seja diferente de uma comunicação por carta, correio eletrônico ou telegrama. É a partir da tomada de consciência destas circunstâncias que pude propor, em meu trabalho de análise do discurso de informação midiática (Charaudeau, 1997, cap. 7), uma tipologia fundada primeiramente sobre o “dispositivo como materialidade da mise en scène” (o que permite dizer que o rádio é essencialmente um dispositivo de contato, a televisão um dispositivo de espetáculo e a imprensa um dispositivo de legibilidade) ; e depois sobre os diferentes procedimentos de mise en scène que são utilizados para construir diversos dispositivos “cênicos” (entrevistas, reportagens, títulos, etc.) (Charaudeau, 1997, cap. 10).

É, assim, nesse nível que se constrói o texo, se entendemos por texto o resultado de um ato de linguagem produzido por um sujeito dado em uma situação de troca social dada. Levando-se em conta que o texto é um ato de linguagem, ele se caracteriza pelas propriedades gerais de todo fato linguageiro, a saber, sua materialidade significante (oral, escritural, mimo-gestual) e suas condições de construção lingüística (morfológica, sintática). Levando-se em conta que o texto é produzido em uma situação contratual, ele depende para sua significação daquilo que caracteriza uma situação (finalidade e visada enunciativa, identidade dos parceiros, propósito tematizante e circunstâncias materiais particulares). Levando-se em conta que o texto tem por origem um sujeito, ele se apresenta, ao mesmo tempo, com propriedades da situação que o sobredetermina em parte, e com propriedades singulares do fato da intervenção individualizante deste. É por isso que podemos dizer que todo texto é singular, a menos que ele seja a simples cópia de um outro. Todo texto se inscreve, assim, em uma continuidade que é delimitada por uma abertura e um fechamento – abertura e fechamento que as condições situacionais e discursivas lhe dão – e ele se caracteriza por uma coerência interna que lhe dá uma estrutura e uma existência mais ou menos autonôma.

Mas se se trata de classificar textos, é necessário considerar seus pontos comuns e não suas diferenças. Seus pontos comuns podem ser encontrados em três níveis : nos componentes do contrato situacional, nas categorias nas restrições discursivas e nos diferentes aspectos da organização formal do texto. Neste último nível, trata-se de determinar as recorrências formais nos seguintes domínios : na mise en scène textual, a saber, a disposição do paratexto (Genette, 1982), (por exemplo, a composição das páginas de um jornal e sua organização em excessões, rubricas e sub-rubricas) ; na composição textual interna, a saber, sua organização em partes, a articulação entre estas e os jogos de retomadas e reenvios de uma à outra (por exemplo, a composição de uma tese – variável segundo a disciplina – em suas diferentes partes) [19] ; na fraseologia, a saber, o emprego recorente das locuções, fórmulas breves e outros torneios fixos [20] ; enfim, na construção gramatical, a saber, a recorrência dos tipos de construção (ativa, passiva, nominalizada, impessoal), das marcas lógicas (os conectores) da pronominalização, da anaforização, da modalidade e de tudo que diz respeito ao aparelho formal da enunciação. Talvez devéssemos acrescentar o domínio das recorrências lexicais, mas este aspecto das características formais é mais aleatório porque a repetição e a isotopia lexical são muito dependentes da temática e não são muito determináveis se não nos tipos de textos fortemente marcados [21].

Eis alguns casos que mostram que a relação de incidência que se estabelece entre estes três níveis de restrições é variável.

Um caso em que a incidência é forte de um nível a outro : a comunicação publicitária (Charaudeau, 1994). No nível situacional, a visada de incitação exige que o produto seja exaltado através de suas qualidades singulares e excepcionais de forma que ele alcance a sensibilidade do destinatário suposto e instale nele um desejo de apropriação do produto via sua identificação com o beneficiário ideal que é encenado. No nível das restrições discursivas, surgem para responder a esses dados : um discurso epifânico (anúncio do surgimento singular do produto) ; um discurso de valorização extrema do produto, tanto em suas qualidades intrínsecas (é o melhor), quanto nos resultados benéficos que produz sua utilização (você será a mais bela), o que leva esse discurso a ligar os contrários (o mais excepcional e o mais acessível) ; um discurso que deve mexer com a imaginação, ter ares de evidência e que possa ser facilmente repetido, calção de sua memorização. Logo, veremos surgir, no nível formal, slogans feitos de frases curtas, obedecendo a um certo ritmo e jogando com as palavras para fabricar metáforas, algumas realistas outras imaginárias.

Um caso em que a incidência é ainda forte, mas somente pontual no nível das formas do texto : a crônica cinematográfica (Charaudeau, 1988). No nível situacional, a dupla visada do discurso de informação midiática faz com que a crônica cinematográfica deva falar de um filme que acaba de ser lançado (critério de atualidade) deva ser identificado, descrito tematicamente e deva ser objeto de uma avaliação. No nível das restrições discursivas, surgem, então ; um discurso de identificação (título do filme, autor, atores, gênero, etc.), um resumo da história e um discurso de apreciação que celebre ou critique o autor e os atores. No nível formal vemos, assim, surgir uma recorrência de citações (perspectiva biográfica do filme), de termos mais ou menos técnicos (falar da encenação), de adjetivos apreciativos e de frases exclamativas de entusiasmo ou de indignação.

Um caso em que as restrições situacionais e discursivas têm uma incidência no nível da composição textual interna : a narrativa jornalística das manchetes. As restrições situacionais (informar sobre os dramas e tragédias da vida cotidiana/incitar o interesse pelo assunto) fazem com que, no nível discursivo, a narrativa tome ares de uma narrativa fantástica como a interrogação sobre o destino humano. Logo, a composição textual se caracteriza por : uma abertura que apresenta o resultado dramático do fato ; um retorno às causas sem jamais poder propor uma que seja a certa, deixando, assim, o leitor em suspense ; um desfecho (uma queda) que se interroga sobre os males deste mundo e a miséria humana.

Um caso em que as restrições influenciam no comportamento linguageiro do sujeito : os debates televisivos. O dado situacional que quer que o animador coloque em presença convidados que têm opiniões contrárias ou pontos de vista diferentes (visada de informação), e que ele os leve a revelar as intenções escondidas e a dar explicações sinceras e claras, de maneira que ele deve se preparar, discursivamente, para um certo jogo de distribuição de fala e de questionamento (visada de incitação). É imperativo que o comportamento linguageiro do animador seja feito de tomadas de fala que apresentam os convidados e os interrogue com a ajuda de perguntas, algumas informativas, outras validativas, e ainda outras provocativas.

Enfim um caso em que, ao contrário dos casos precedentes, a incidência na organização textual é fraca. O caso do prefácio de uma obra, para o qual os dados situacionais se limitam a : que o autor do prefácio tenha a maior notoriedade possível, na esperança que o valor da obra aumente ; que ele trate do mesmo assunto mas o inscrevendo em uma problemática mais ampla afim de mostrar sua importância ; que ele tente articular seu propósito com o que é dito na obra, sublinhando os aspectos que ele acha mais importantes. Mas, como o autor do prefácio deve, ao mesmo tempo, justificar sua notoriedade, ele tentará mostrar a singularidade da obra, logo, a composição do seu texto deverá ser suficientemente diferente de outros prefácios. O que faz com que reconheçamos um prefácio reside, assim, menos nas recorrências textuais do que no fato que ele se encontra no início do livro, sobre o título “prefácio” e assinado por aquele que chamamos de personalidade, quer dizer por índices que remetem diretamente ao contrato, o qual combina curiosamente visada de incitação e visada de demonstração. Do mesmo modo, no caso que Maingueneau e Cossutta (1995), chamam de discursos constituintes, a incidência sobre as formas é fraca. Isso é normal, visto que a finalidade destes discursos é fundar valores, o que explica o fato deles serem mais voltados para o conteúdo do que para a forma. E quando os autores desse trabalho chegam a determinar as características de “código linguageiro” e de “ethos”, por um lado percebemos que eles fazem parte da definição dos valores editados, e por outro lado, podemos nos perguntar se essas características não remetem mais às concepções de escritura da época do que ao próprio gênero. De qualquer forma, seguindo o modelo aqui exposto, um discurso constituinte como um discurso filosófico deveria ser classificado como inscrito em uma situação de visada demonstrativa, tendo restrições discursivas que levam a definir (modo descritivo), a explicar (modo explicativo), a provar (modo demonstrativo), a valorizar (modalização apreciativa), e cujas marcas formais são variáveis segundo o domínio de prática social (o propósito tematizante), o contexto dos sistemas de pensamento e a época.

Respostas a alguns problemas

Terminarei retomando os problemas expostos no início, para sublinhar em que medida essa proposta traz respostas.

Sobre a questão fundamental da articulação entre o lugar de ancoragem social dos discursos e as recorrências formais dos textos produzidos neste lugar, vemos, por um lado, que esta articulação é mais ou menos estreita e, por outro lado, que ela não é possível se não na condição que este lugar seja ele próprio estruturado em domínio e situações de comunicações. Nesta condição, o lugar de ancoragem social pode ser considerado como um lugar contratual que determina, através das características de seus componentes, um certo número de dados situacionais, os quais dão, por sua vez, instruções para a discursivização. São, assim, os dados situacionais que induzem as regularidades discursivas, e estas as formas textuais. Estas últimas não estão ali se não que como índices semiológicos que remetem a esses dados e permitem, assim, ao receptor, reconhecer o gênero-contrato com o qual ele trata.

Se, no lugar de interrogar sobre os dados situacionais, vemos, ao contrário, as características dos textos, percebemos, por um lado, que algumas dentre elas são mais ou menos fortemente recorrentes, e, por outro lado, que podemos encontrar essas mesmas marcas em outros tipos de textos. O que pensar, então, do estatuto dessas recorrências que não são exclusivas de um tipo de texto ? Seguirei, aqui, a explicação de Branca-Rossof (1997), que, tendo estudado cartas de reclamação, levanta um certo número de locuções particularmente recorrentes (por exemplo, as locuções prepositivas “depois…”, “após…”(à la suite de…), “levado em consideração…” (compte tenu de…), etc.), e observa, ao mesmo tempo, que encontramos essas mesmas locuções em outros lugares além das cartas administrativas [22].. A autora se propõe a explicar esse fenômeno pelo fato que o uso transporta essas locuções de um domínio de prática à outro, e que se criam, ao mesmo tempo, tipos de “línguas segundas”.Poderíamos, assim, conceber que estas formas circulam de um grupo à outro, de uma situação à outra, seguindo um esquema que seria : rotinização das maneiras de dizer em uma situação de comunicação  uso difundido fora da situação de origem [23]  criação de uma língua segunda  reinvestimento desta língua segunda em outras situações. Produzir-se-ia um tipo de reciclagem do uso lingüístico como percebemos na gíria francesa, no francês popular e no francês corrente. É conveniente, assim, desconfiar da aparente recorrência das formas, se queremos concluir o que é um gênero, o que nao exclui que essas formas possam funcionar como indicadores de gênero.

Sobre a questão da transgressão dos gêneros, ou seja, o fato que percebemos os índices de reconhecimento de um tipo de texto, mas que, ao mesmo tempo, detectamos formas que não são esperadas, podemos chegar à seguinte explicação :.se falamos de “desrespeito” de um gênero, a questão que se coloca é saber o que não é respeitado : são as formas, as restrições discursivas ou os dados situacionais ? Depende. Branca-Rossof observa, em seu estudo, que certas cartas de reclamação respeitam as características de início e término das cartas, mas são marcadas por uma enunciação emotiva, às vezes com insultos, às vezes sem forma de polidez. Ela liga essas transgressões ao ethos, conceito da retórica que ela retoma seguindo a redefinição proposta por Maingueneau (1984). Mas se o ethos é “uma vocalidade fundamental” que deve ser atribuida a “uma origem enunciativa, uma voz que atesta o que é dito”, podemos considerar que o ethos pode se ligar a dois tipos de sujeito : aquele que está inscrito no contrato de comunicação, fazendo parte das restrições situacionais, e aquele que se liga ao sujeito no seu esforço de individualização. Assim, diremos que um ethos de “cortesia e distanciamento” está inscrito no gênero da carta de reclamação, como em qualquer carta administrativa ou uma escrita que tenha um caráter oficial : sujeito marcado pela sua posição de inferioridade (o administrado) face a uma administração, entidade coletiva cega, tendo poder de execução. Daí a transgressão que se exprime por uma falta de polidez e pelos insultos deve ser considerada como remetendo ao ethos de um indivíduo particular [24]. Mas remarcaremos que esta transgressão não muda nada no contrato global nem no gênero, se todavia as outras restrições são respeitadas, a saber : “descrição de uma situação na qual o sujeito é ator”, “avaliação negativa da situação pelo sujeito que é a vítima dessa avaliação”, “pedido de reparação endereçada pela vítima à instância que tem o poder de reparação”. Se não for esse o caso é porque diz respeito a uma outra situação, um outro gênero : a “carta de insulto”.

Mas isso se dá também com outros tipos de transgressão. Por exemplo, a transgressão das campanhas publicitárias da Benetton, as quais, dando a esses cartazes o índice essencial do domínio de comunicação publicitária (o nome da marca), trata de assuntos que não são previstos pelo contrato publicitário [25]. Este, de fato, exclue que ele seja tratado como acontecimentos se produzindo no espaço público ou colocando em discussão a moral social. Ora, é o que fazem as campanhas Benetton. O problema colocado por essas campanhas não é que elas tenham tratado da guerra na Bósnia, nem da Aids, nem do racismo, é que elas tenham feito isso no âmbito de uma publicidade comercial. Dito de outra forma, o que podemos censurar nessas campanhas, é de ter trapaceado com os contratos. Elas se apresentam como uma campanha humanitária que responde a um contrato de comunicação cívica : “informar para fazer agir de maneira solidária”, enquanto que sua finalidade responde a uma campanha comercial cujo contrato é de consumo : “seduzir para fazer comprar”. Trata-se, assim, aqui, de uma transgressão a um dos componentes do contrato de comunicação publicitária, o propósito : no lugar de exaltar um bem de consumo, uma informação é tratada remetendo à vida pública, social e política. Se este tipo de transgressão se generalizasse e invadisse toda a produção publicitária, poderíamos então, chegar à mudança das condições do contrato publicitário. Assim, surge a possibilidade para os gêneros de evoluirem e de serem diferentes de uma sociedade à outra, em um jogo de influências recíprocas entre contrato 1  individualização  transgressão ou variante  contrato 2. Isso aconteceu com os títulos de imprensa sob a influência da iniciativa tomada pelo jornal Libération, nos anos 80, iniciativa que surgiu como transgressão parcial, em seguida como uma variante, depois acabou por se generalizar. Isso aconteceu igualmente com os debates televisivos após as emissões de Michel Polac, do tipo Direito de resposta, as quais sem serem reproduzidas de forma idêntica mudaram os dados situacionais e discursivos deste gênero.

Sobre a questão das variantes, convém primeiramente precisar que elas não devem ser confundidas com a questão das transgressões. O que caracteriza a variante de um gênero é que ela respeita o essencial das características do gênero, propondo uma outra característica recorrente que acaba não por modificar mas por especificar um desses aspectos. Dito nos termos da proposta aqui defendida, a coisa é muito mais fácil de compreender : uma variante não muda nada nos dados situacionais de base do contrato, mas especifica alguns de seus componentes. Por exemplo, no contrato de formação midiática se constitue subcontratos específicos, seja no nível das circunstâncias materiais (escripturalidade da imprensa, oralidade da rádio, audiovisualidade da televisão), seja no nível das restrições discursivas (relatar o acontecimento, comentar o acontecimento), seja no nível da organização formal (anunciar a notícia pelo título, dividir as notícias em rubricas). Por exemplo, no contrato do debate televisivo (que é, ele próprio, um subconjunto do contrato de informação midiática), encontramos as variantes : o talk show, o debate cultural, o debate político. Assim, poderemos distinguir, no interior da situação de comunicação política, os subcontratos : comícios, folhetos de programa eleitoral, declarações televisivas, intervenções na Assembéia nacional, escritos teóricos e profissões de fé. Consideraremos que a entrevista e a conversa radiofônicas são duas variantes de interação, a posição dos dois interlocutores sendo diferente em cada um desses casos : não hierarquizada na conversa, hierarquizada na entrevista.

Além disso deve estar ligada a esta questão das variantes a do entrecruzamento dos contratos : os contratos do político que se entrecruzam com os contratos do midiático, seja no debate, na entrevista, seja na locução televisiva. Aqui, a dificuldade consiste em saber qual é o contrato que super-comanda os outros : é o de debate político que engloba todas as formas de debate (incluindo aqui o midiático) ? É o debate midiático que se especifica em debate político ? Ou seria, ainda, a idéia que se faz, em uma dada sociedade, do debate em geral que se encontra acima dos outros.

Sobre a questão da classificação dos textos em função dos modos discursivos, questão que traz enormes problemas, parece que esse modelo traz uma resposta. Uma receita de cozinha se dá em um modo explicativo, argumentativo ou descritivo ? Se o manual escolar se dá igualmente em um modo explicativo, pode ele ser classificado no mesmo gênero que a receita de cozinha ? Podemos dizer a mesma coisa para as Instruções oficiais ?

Si seguimos este modelo convém, primeiramente, se perguntar qual é a visada do contrato situacional na qual aparecem estes diferentes textos. Observaremos, daí, que a receita de cozinha pertence a uma situação cuja visada é de instrução, o eu devendo, supostamente, ter uma autoridade de “saber-fazer”, e fazendo com que tu saiba fazer seguindo um modelo de fazer. Em compensação, uma placa de empresa, um prospecto de um organismo de serviço público, um catálogo de museu ou um guia turístico pertencem a uma situação cuja visada é de informação, o eu devendo, supostamente, ter uma autoridade de saber e fazendo com que tu “saiba”. Por outro lado, as Instruções oficiais pertencem a uma situação cuja visada é de prescrição, o eu estando em posição de poder para mandar fazer (ou não fazer) e fazendo com que tu “faça”. Neste nível de distinção, já podemos constatar que o uso corrente confunde as pistas de classificação empregando um mesmo termo, “instruções”, para textos que pertencem a situações diferentes : “Instruções ministeriais” (prescrição), “Instruções de instalação de seu computador” (instrução). A outra dificuldade reside no fato que em uma mesma obra podemos ter textos que pertencem a diferentes visadas. Po exemplo, em um manual de computador alguns textos têm uma visada de informação (a descrição das partes do aparelho), outros têm uma visada de instrução (exposição das manipulações possíveis).

Se, agora, vemos o que acontece no nível dos modos discursivos, constataremos que : as receitas de cozinha se apresentam como uma sucessão de ações a serem realizadas, utilizando, assim, um modo descritivo (descrição de ações), e não um modo narrativo ; os guias e os catálogos identificam e descrevem lugares, objetos e pessoas, utilizando igualmente um modo descritivo ; os manuais de instruções expõem objetivos ou problemas e maneiras de resolvê-los, utilizando um modo explicativo ; as Instruções oficiais descrevem as ações a serem seguidas que são obrigações, “dever fazer”, e utilizam para isso um modo descritivo (estas instruções são tipos de imposições que não se explicam).

Enfim, se nos colocamos no nível da configuração textual, podemos constatar, como já dissemos, regularidades mais ou menos marcadas e sistemáticas, em função do que são as restrições discursivas. Por exemplo, no modo descritivo de uma visada de instrução correspondem marcas de designação que servem para identificar objetos e lugares, marcas de qualificação mais ou menos objetivas, o todo sob forma de lista, em uma organização mais ou menos hierarquizada da sucessão das ações a serem realizadas, sob uma modalização alocutiva (“pegue”) ou delocutiva (“pegar”). No modo explicativo de uma visada de instrução ou de informação corresponde uma fraseologia logicisante cuja base é sempre um “se…, então…”, sob uma modalização ora alocutiva (“se você quiser…então…”), ora delocutiva de obrigação (“devemos…,é preciso…, é suficiente…, convém…”). Quanto ao léxico, ele será mais ou menos recorrente segundo o domínio temático tratado : às vezes constituído em verdadeiro campo lexical como nas receitas de cozinha ou nos manuais técnicos, muito menos marcado em outros casos.

Para retomarmos a questão colocada no início, vemos que o modo discursivo não pode sozinho constituir um princípio de classificação. A explicação, por exemplo, pode se encontrar em um texto científico, em um manual de instruções, em um artigo de jornal, enquanto que cada um pertence a uma situação de comunicação que tem uma visada diferente (de demonstração, de instrução ou de informação). O que este modelo propõe é considerar o resultado da combinação entre estes diferentes níveis, evitando colocar a questão dos gêneros a partir de um só destes níveis [26]. Na combinação, situação na visada de instrução + modo descritivo + marcas do fazer (lista e léxico especializado), se ligam os textos do tipo “receita de cozinha”, “instruções de montagem”, “instruções farmacêuticas (posologia)”, etc. ; na combinação visada de instrução + modo explicativo + marcas gramaticais (conectores lógicos) se ligam os “manuais e guias de instrução” ; na combinação visada de prescrição + modo descritivo + marcas de impessoalidade e de obrigação (pronome on, em francês, torneios impessoais, verbos de modalidade) se ligam os textos do tipo “leis”, “códigos”, “instruções oficiais”, etc. Evidentemente, este modo de classificação destaca a complexidade de alguns casos, mas pelo menos ele tem o mérito de mostrar o porquê, através deste jogo de combinações.

Conclusão

No final deste trabalho, não saberia muito bem dizer o que poderíamos chamar por gênero : as constantes do contrato situacional ? Mas onde está a indicação formal ? ; as constantes da organização discursiva ? Mas o que dizer de sua variação ? ; As constantes formais ? Mas o que dizer de sua circulação nos gêneros diferentes ?

No que me diz respeito, me mantenho nesta terminologia que tem o mérito de ser clara : o contrato global do domínio de comunicação com suas variantes, no que diz respeito aos dados situacionais ; a organização discursiva e seus modos, no que diz respeito às restrições específicas advindas dos dados situacionais ; as formas textuais no que diz respeito às recorrências formais que testemunham as regularidades e até mesmo as rotinizações e a configuração textual. Poderíamos, então, a respeito destas categorias, falar de “gênero situacional” para se referir às condições do contrato [27], falar de “sub-gêneros” como se fala de “sub-contratos” que são as variantes encaixadas em um contrato global. Desde então, o narrativo, o descritivo, o explicativo e o argumentativo não seriam, nesta perspectiva gêneros porque cada uma dessas categorias da atividade discursiva reuniria textos pertencentes a situações diferentes e logo não poderia constituir um critério de classificação que correspondesse aos domínios da prática comunicativa. Do mesmo modo, uma recorrência de marcas formais, por mais forte que ela seja, não pode sozinha, ser significativa de um tipo de texto, visto a circulação dessas marcas entre diversos textos. Elas não serão consideradas senão como traços daquilo que as restrições discursivas e situacionais ordenam.

Em resumo, podemos dizer que, em se tratando dos níveis de produção-interpretação do discurso diferentes, cada um destes traz um princípio de classificação que lhe é próprio : o nível situacional permite reunir textos em torno das características do domínio de comunicação ; o nível das restrições discursivas deve ser considerado como o conjunto dos procedimentos que são chamados pelas instruções situacionais para especificar a organização discursiva ; o nível da configuração textual cujas recorrências formais são voláteis demais para tipificar de forma definitiva um texto, mas constituindo os índices. Cada um destes princípios de classificação é legítimo e pode ser útil segundo o objetivo de análise que se propõe seguir. A posição aqui defendida é que uma definição dos gêneros de discurso passa pela articulação entre esses três níveis e a correlação (e não em implicação sucessiva) dos dados que cada um desses níveis propõe. Nessa perspectiva, é difícil definir o gênero como um protótipo ou como uma esquematização abstrata, visto que há componentes demais de ordem diferente que intervém para sua composição, a menos que aconteça de um dia se construir um modelo cognitivo que chegue a integrá-los e axiomatizá-los.

Resta colocar uma última questão a das “tipologias”. Se é possível estabelecer classificações segundo os níveis e os critérios que acabamos de definir é porque é possível estabelecer tipologias. Mas qual é o interesse em construir tipologias ? Por quem e para quem elas são estabelecidas ? Essas questões merecem ser colocadas, visto que elas se encontram no centro de qualquer análise dos discursos : toda classificação pressupõe a existência de categorias, mas em matéria de discursos, as categorias não tem (não deveriam ter) fundamento ontológico ; somente um valor operatório para dar conta de outra coisa além delas próprias. Poderíamos falar das categorias da língua, mas estas são pelo menos sustentadas por um imaginário de sistematicidade que lhe dá ares de natureza estável. Se, então, uma tipologia deve ser estabelecida, convém se perguntar : (i) se ela classifica discursos (em qual sentido deste termo) ou textos ; (ii) se ela é destinada a dar conta de um fenômeno sócio comunicativo empírico – e, neste caso, a tipologia não é senão uma grade de leitura movediça servindo de referência (segundo a expressão de Bakhtin) –, ou se ela se dá como um princípio de classificação absoluta, categorizando e naturalizando os textos de maneira definitiva (quem nunca sonhou com tal taxonomia ?) afim de construir uma máquina de produzir texto (projeto de inteligência artificial) ; ou ainda se ela tem uma finalidade aplicativa para, por exemplo propor aos aprendizes de língua materna ou de língua estrangeira modelos de “como escrever, como falar”. O ponto de vista aqui adotado é o do ajustamento em uma empiria linguageira estruturada por uma certa maneira de teorizar a comunicação verbal, com categorias que trazem elas próprias sua própria crítica.

Enfim, se me fosse permitido terminar com uma observação, no que diz respeito a incidência desta reflexão no domínio da didática das línguas, diria que a questão dos gêneros, vista desta forma, deve permitir, de uma maneira melhor, tornar o aprendiz consciente da maneira cuja a escolha das formas linguageiras está ligada à perscepção que temos das constantes situacionais, seja para respeitá-las ou para jogar com elas com fins estratégicos. Logo, aparece mais claramente para o professor o que podem ser as estratégias de tratamento da questão : abordá-la pelas formas, mas será necessário fazer descobrir as restrições situacionais e discursivas ; abordá-la pela situação, e será necessário fazer descobrir as restrições discursivas daí advindas assim como as marcas formais que as configuram ; abordá-la pelas atividades discursivas e será necessário tratá-las segundo os dados situacionais aos quais elas se ligam.

Tradução de Renato de Mello

Referências Bibliográficas

ADAM, J. M. Les textes : types et prototypes. Récit, description, argumentation, explication et dialogue. Paris : Nathan Université, 1992.
BAKHTIN, M. Esthétique de la création verbale. Paris : Gallimard, 1984.
BENVENISTE, E. Problèmes de linguistique générale. Paris : Gallimard, 1969.
BOURDIEU, P. Ce que parler veut dire. Paris : Fayard, 1982.
BRANCA-ROSSOF, S. Les lettres de réclamation adressées au service de la redevance. In : Revue Langage et société n° 81, 1997.
BRANCA-ROSSOF, S. Des innovations et des fonctionnements de langue rapportés à des genres. In : Revue Langage et Société n° 87.
BRANCA-ROSSOF, S. Types, modes et genres. In : Revue Langage et Société n° 87.
BRONCKART, J. P. Aspects génériques, typiques et singuliers de l’organisation textuelle ; des actions aux discours. In Langage, théories et applications en FLE. Texte et compréhension, revue Ici et là. Madrid : Association ADEF, 1994.
CARON, J. Précis de psycholinguistique. Paris : PUF, 1989.
CHARAUDEAU, P. L’interview médiatique : qui raconte sa vie ?. In : Cahiers de sémiotique textuelle 8-9. Université de Paris 10, 1986.
CHARAUDEAU, P. La chronique cinématographique. Faire voir et faire parler. In La Presse. Produit. Production. Réception. Paris : Didier Erudition, 1988.
CHARAUDEAU, P. Grammaire du sens et de l’expression. Paris : Hachette, 1992.
CHARAUDEAU, P. Le contrat du débat médiatique. In La télévision. Le débat culturel. Apostrophes. Paris : Didier Erudition, 1992.
CHARAUDEAU, P. La publicité, un genre discursif. In : Revue Mscope n°8. Versaille : CRDP, septembre 1994.
CHARAUDEAU, P. Une analyse sémiolinguistique du discours. In : Revue Langages 117. Paris : Larousse, Mars 1995.
CHARAUDEAU, P. Les conditions d’une typologie des genres télévisuels d’information. In : Revue Réseaux n°81. Paris : Cnet, Janvier-Février 1997.
CHARAUDEAU, P. Discours d’information médiatique. Paris : Ina-Nathan, 1997.
GENETTE, G. Palimpsestes. Paris : Seuil, 1982.
GHIGLIONE, R. et CHARAUDEAU, P. Paroles en images et images de paroles. Paris : Didier Erudition, 1999.
HALLIDAY, M. A. K. The functional basis of language. In : BERNSTEIN D. (ed) Class, codes and control, vol.2. London : Routledge and Kegan Paul, 1973.
HALLIDAY, M. A. K. Dialogue with H. Parret. In : PARRET H. (ed.), Discussing language. La Haye : Mouton, 1974.
JAKOBSON, R. Essais de linguistique générale. Paris : Minuit, 1963.
MAINGUENEAU, D. Gèneses du discours. Bruxelles-Liège : P. Mardaga, 1984.
MAINGUENEAU, D., COSSUTA, F. L’analyse des discours constituants. In : Revue Langages n° 117. Paris : Larousse, 1995.
RICHARD, J. F. La représentation de l’action. In : Revue Langages n° 100, Paris : Larousse, 1990.

Notes
[1] Este artigo foi publicado em francês : Charaudeau, P. Visées discursives, genres situationnels et construction textuelle. In : Ballabriga, M. (direction) Analyse des discours. Toulouse : Ed. Université du Sud, 2001.p. 45-73.
[2] Revista Réseaux, n. 81. Paris : Cnet. janeiro-fevereiro de 1997.
[3] Cf. Carnets du Cediscor n.1. Un Lieu d’inscription de la didacticité, Presses de la Sorbonne Nouvelle, 1992.
[4] O que Maingueneau e Cossuta chamam de “discursos constituintes”, ver artigo dos autores em Langages n. 117, Paris : Larousse, 1995.
[5] É, finalmente, levar ao extremo a proposta de Bourdieu que diz que “o poder das palavras não é outra coisa senão o poder delegadado do intérprete” do fato que o poder não se encontra nas palavaras mas nas ‘condições sociais de utilização das palavras’” Ce que parler veut dire, Paris : Fayard, 1982. p. 103.
[6] Os antigos haviam feito disso a hipótese de uma maneira talvez um pouco radical demais na medida em que onde para eles não se podia ser reconhecido e legitimado em um “lugar social” que se coincidisse o papel linguageiro que se tinha e a forma linguageira que se produzia. O que explica que a forma sendo legitemante, ela possa ser categorizada (Aristóteles). Sonia Branca lembra, ao citar os travalhos de A. Collinot, F. Mazière e F. Douay-Doublin, que é este modelo que os jesuitas entretiveram pelas aulas de retórica até o século XVIII (ver ; “Types, modes et genres” In : Revue Langage et Société, n. 87.)
[7] Trata-se de “representações sócio-discursivas”.
[8] Esta noção, tal como está aqui definida, é em um sentido mais restritivo que aquele proposto por. Maingueneau (1995). Para ele, a “comunidade discursiva” inclui os discursos produzidos pelos diversos tipos de atores de um campo institucional dado, seu posicionamento, e “os modos de vida, de normas, etc.” que eles partilham. De fato, esta definição corresponderia ao conjunto das três comunidades que estão, aqui, definidas.
[9] A alusão é feita, aqui, à publicidade da Benetton que se serviu de uma camisa furada por balas e manchada de sangue de um cidadão da Bósnia, imagem quase banal na televisão e transgressiva em um publicidade (ver mais a frente).
[10] Mesmo se os indivíduos reunidos não se conhecem, não se tocam, nem se encontram juntos no mesmo momento.
[11] O termo“semiológica” é tomado, aqui, no seu sentido restrito, referindo-se à parte formal do signo.
[12] Os princípios de alteridade, de influência, de regulação, de pertinência são definidos no artigo : “Une analyse sémiolinguistique du discours” In : Revue Langages 117, Paris : Larousse, Março, 1995.
[13] Para que haja intercompreensão, o “sujeito interpretante”, que se encontra na instância de recepção, deve pelo menos reconhecer a visada.
[14] A palavra “deve”, aqui, não tem o valor de uma norma moral. Ele assinala um “horizonte de expectativa”, o lugar (posição e ação) que é atribuído de antemão ao tu se ele quer entrar na parceria do ato comunicativo.
[15] Quer dizer que ele não pode não querer saber, “dever saber” que é frequentemente justificado a posteriori.
[16] Às vezes, dizemos “atos de linguagem”, mas empregando eu mesmo esta expressão em um sentido mais amplo de ato comunicativo, prefiro falar de “ato de fala” quando se trata do sentido que lhe dá a pragmática.
[17] Retomamos, aqui, a idéia de dominância sugerida por Jakobson, a propósito das funções da linguagem.
[18] O modo descritivo serve para descrever um estado dos seres e do mundo ; o modo narrativo serve para descrever as ações humanas, ou tidas como tais, que se originam em um projeto de busca ; o modo argumentativo serve para descrever as lógicas que se decompõem elas própias em “explicativas”quando a verdade já é estabelecida e que é preciso explicar o como dos fenômenos, e em “demonstrativos” quando se trata de estabelecer e de provar a verdade (ver nossa Grammaire du sens, 1992, 3ª Parte). Por esta última categoria, não confundí-la com a visada, mesmo que ela seja objeto de uma mesma definição. Aqui, trata-se de um procedimento, enquanto que para a visada, trata-se de uma intenção pragmática.
[19] Isto é frequentemente o objeto de instruções mais ou menos precisas como nos conselhos que se emprega na escola, nas escolas de jornalistas e nos numerosos manuais modernos sobre como escrever, redigir, etc.
[20] Por exemplo, as expressões ditas do estilo administrativo, como “visto que…”, “esperado que…” ou as fórmulas que, nos textos jornalísticos, precedem as citações, como “segundo…” “de fonte bem segura…”, “se acreditamos…”, etc.
[21] Nas receitas de cozinha, crônicas gastronômicas, notícias técnicas, farmacêuticas, etc.
[22] Ver “Des innovations et des fonctionnements de langue rapportés à des genres”, In : Revue Langage et Sociéte, n° 87, 2000, e também “Les lettres de réclamation adressées au service de la redevance”, In : Revue Langage et société, n° 81, 1997.
[23] Para tanto é preciso termos certeza de que há uma situação de origem.
[24] Esta transgressão corre o risco de ser fatal ao indivíduo em sua carta de reclamação, visto que ele se constrói uma imagem de “resmungador”.
[25] Trata-se da publicidade de produto comercial e não da publicidade de serviços nem das campanhas de prevenção.
[26] Por exemplo : a receita de cozinha pertence a um gênero narrativo, descritivo ou explicativo ? Não há uma resposta única para esta questão, porque poderíamos justificar a presença destes três modos discursivos. Em compensação, vemos a resposta possível, combinando os diferentes níveis.
[27] Ou de gênero textual se nos referirmos ao conjunto dos textos reunidos em nome de seu pertencimento a um mesmo contrato.
Pour citer cet article
Patrick Charaudeau, "Visadas discursivas, gêneros situacionais e construção textual", in Ida Lucia Machado e Renato de Mello. Gêneros reflexões em análise do discurso. Belo Horizonte, Nad/Fale-UFMG, 2004. , 2004, consulté le 25 septembre 2017 sur le site de Patrick Charaudeau - Livres, articles, publications.
URL: http://www.patrick-charaudeau.com/Visadas-discursivas-generos.html
Livres
Articles
Textes de réflexion